Reunião em Rio Claro aborda Projeto Geoparque Corumbataí

Na noite da última terça-feira, 22 de maio, aconteceu em Rio Claro a quinta edição da Caravana Geoparque Corumbataí. Trata-se de uma série de encontros que possuem como objetivo promover o diálogo entre a Universidade Paulista (Unesp), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Prefeitura, população local e empreendedores de cada município para discutir questões relacionadas à implementação de um Geoparque no território da Bacia do Rio Corumbataí. “Depois de implantado, este será o primeiro Geoparque do mundo delimitado por uma bacia hidrográfica e tendo a água como principal mote”, lembrou a professora de direito da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-Unicamp), Luciana Cordeiro de Souza Fernandes.

O encontro foi iniciado com explicações sobre o Plano de desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI), por meio de representantes da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa). Posteriormente, foram apontados alguns geossítios de Rio Claro pelos representantes da Prefeitura do município. Entre eles, foram identificados o Complexo Ferroviário da Antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro, o Parque Municipal do Lago Azul, a Usina Hidrelétrica do Corumbataí, o Horto Municipal do Distrito de Ajapí e o Parque Geológico do Distrito de Assistência.

 

Estiveram presentes na reunião o diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp de Rio Claro, José Alexandre Perinotto, a professora de direito da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA), Luciana Cordeiro de Souza Fernandes, o professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Paulista (UNESP) de Rio Claro, José Eduardo Zaine, a bióloga Mariselma Zaine, o prefeito de Analândia, Jairo Mascia, pós-graduandos da Unesp e Unicamp, munícipes e o presidente do Instituto de Proteção Sócio Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí (IPSA), Waldemar Bóbbo. “Cremos que juntos com o Projeto Geoparque Corumbataí o projeto ‘Nascentes Analândia’, cujo objetivo é desenvolver projetos executivos visando a recuperação, conservação e proteção de mananciais, também vá para a frente, até porque o Rio Corumbataí abastece 60% da cidade de Rio Claro”, relatou Bóbbo.

 

 

Na oportunidade, foi explicado o conceito de Geoparque, ou seja, uma área geográfica onde sítios e paisagens de relevância geológica são administrados com base em um conceito de proteção, educação e desenvolvimento sustentável, de forma que seja estimulado na população a criação de atividades econômicas suportadas na geodiversidade da região, quer seja de caráter turístico, cultural, arqueológico, arquitetônico, etnográfico, gastronômico. “O Geoparque promove integração, inclui a todos e beneficia a todos. Isso é um tripé. Por isso, é preciso a preocupação de cada um: da população em geral, dos governos de cada município, das universidades envolvidas, Unesp e Unicamp, para que abracem essa causa e trabalhem para a implementação do Geoparque”, disse o diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp de Rio Claro, professor José Alexandre Perinotto.

 

 

 

 

 

Como parte da programação do evento o professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Paulista (UNESP) de Rio Claro, José Eduardo Zaine, apresentou a palestra “Patrimônio Geológico: Potencial e Base para criação do Geoparque Corumbataí, SP”, por meio da qual fez uma explanação sobre formações geológicas, recursos hídricos e pontos turísticos da cidade de Rio Claro, bem como fez menção ao fóssil do réptil mesossaurídeo, que viveu na região rioclarense há 250 milhões de anos. “Os fósseis do mesossaurídeos evidencia a ligação entre a América do Sul e África, no passado geológico”, explicou Zaine. Perinotto também chamou a atenção para a natureza privilegiada de Rio Claro. “Temos que passar isso para as pessoas, passar o ponto de vista geológico da região. Se voltássemos há milhões de anos, sabemos que neste auditório tinha geleira, depois que aqui foi deserto, por exemplo. O ganho cultural de um Geoparque é muito grande”, ressaltou.

 

A professora de Direito da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-UNICAMP), Luciana Cordeiro de Souza Fernandes, discorreu sobre ‘Geoparque: instrumento para promoção do desenvolvimento socioeconômico regional através do despertar local’. “É preciso mostrar formas de nos reiventarmos. Eu acredito no Projeto Geoparque Corumbataí, pois a gente vai vendo uma região privilegiada receber olhares de atenção. Essa é uma região que pulsa, e é preciso que cada morador, de cada uma das cidades do projeto, olhe, viva o local, faça parte dele e se sinta parte do território de onde vem e onde mora”, frisou Luciana. Logo após, também comentou que para a implementação do Geoparque não é necessário a criação de novas leis.

 

A próxima etapa agora é o preenchimento dos formulários de cadastro de pontos de interesse para o futuro Geoparque Corumbataí, e posteriormente, a formação de um Grupo de Trabalho para figurar como interlocutor entre os demais municípios e a equipe do Projeto Geoparque Corumbataí. Ao final das visitas em todas as cidades localizadas no território da Bacia do Rio Corumbataí será finalizado um inventário do patrimônio da Bacia e realizado um evento com todos os municípios, na Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA), em Limeira.

“Essa reunião de hoje é uma continuidade do simpósio que aconteceu em maio de 2017, quando cada Prefeitura apresentou sua beleza natural. Depois disso, vieram outros encontros, em cada cidade. É bom frisar que o que foi falado na noite de hoje sobre ser preciso a união entre as cidades, poder público, universidades e população local e regional, como membros da comunidade, é importante para todos. O projeto tem tudo para dar certo. Destaco o empenho dos professores aqui. O certificado Unesco é a terceira ou quarta fase. Precisamos, antes, fazer o inventário e fazer cadastros daquilo que temos em cada cidade. É preciso divulgar e ver a participação de cada um no processo do futuro Geoparque Corumbataí. Analândia é a base, pois tudo começa por ela, uma vez que o rio Corumbataí nasce neste município”, disse o prefeito de Analândia, Jairo Mascia.

Nathalie Gallo – Jornalista

MTB 0082608/SP(19) 9 9287-9849 – n209462@dac.unicamp.br / ngallo.mestranda@gmail.com
PROJETO GEOPARK CORUMBATAÍ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS – IG
Mestranda em Ensino e História de Ciências da Terra

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: