Avançam as Pesquisas no Geossítio Mãe Preta em Rio Claro (vídeo)

Na última sexta-feira (14/07/2023) uma equipe multidisciplinar, composta por pesquisadores da UNESP Rio Claro e Bauru e gestores públicos de Rio Claro, esteve presente na Voçoroca da Mãe Preta, geossítio do Projeto Geoparque Corumbataí, localizado em Rio Claro (SP), para uma atividade conjunta de interpretação e caracterização da paisagem. Assista ao vídeo da reportagem no final desta matéria.

Equipe que participou das atividades no dia 14/07/2023. Foto: José Alexandre Perinotto.

O local é uma seção-tipo da Formação Rio Claro (cenozoica) onde ocorrem arenitos e argilitos com pequenos fósseis vegetais de cerca de 30 milhões de anos que contam uma longa história sobre a evolução geológica da paisagem. Atualmente, a área compreende toda a região de cabeceira do Córrego Mãe Preta, um pequeno afluente do Ribeirão Claro (manancial de abastecimento público do município).

Formação Rio Claro: o local é a seção tipo, ou seja, o melhor local para observação da sequência de rochas predominantemente arenosas (bege), com algumas camadas argilosas (roxo) contendo fósseis de vegetais. Foto: Maria Vitoria Baptista.

O objetivo da atividade foi identificar e coletar dados sobre as potenciais áreas, trilhas e pontos de interesse do geossítio que apoiem a proposta de criação de um Parque Natural Municipal. A atividade faz parte de uma pesquisa de mestrado vinculada ao Instituto de Geociências e Ciências Exatas da UNESP Rio Claro que visa levantar subsídios científicos e políticos para propor a implementação de uma Unidade de Conservação Municipal com foco na proteção do geopatrimônio da Voçoroca da Mãe Preta e na valorização do espaço como uma área de lazer para a comunidade do entorno, mas que conta também com grande potencial científico e educativo.

Equipe observa a área e discute particularidades do local para incentivar o uso sustentável. Foto: José Eduardo Zaine.

Para isso, o projeto conta com a parceria de arquitetas do curso de Arquitetura e Paisagismo da UNESP Bauru, do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA) e e também com o apoio fundamental da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do Arquivo Público e Histórico de Rio Claro. Foram percorridos cerca de 600m de trilhas no interior da voçoroca e identificados atrativos do patrimônio geológico, paleontológico, hidrológico e biológico que evidenciam a relevância ambiental e científica da Voçoroca da Mãe Preta. Estar em contato com toda a bio e a geodiversidade presente foi fundamental para a discussão e proposição de ideias e possibilidades para o espaço.

A pesquisadora Maria Vitoria Baptista conversa com a equipe da TV Claret aceca da relevância do Geossítio Mãe Preta. Foto: José Eduardo Zaine.

Aproveitando a presença da equipe, a TV Claret, emissora local de Rio Claro, esteve de prontidão acompanhando todo o trabalho de campo e entrevistando os integrantes para compor uma matéria especial sobre o geossítio e todo o projeto que vem sendo desenvolvido, a ser exibida ainda essa semana. Assista ao vídeo abaixo:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: