Grupo de Trabalho da Caravana Geopark Corumbataí visita Santa Gertrudes

A Caravana Geopark Corumbataí visitou a cidade de Santa Gertrudes nesta última quinta-feira, 9 de agosto. O sexto encontro aconteceu às 19h, no Centro Cultural Isidoro Demarchi (Rua 1, nº 790 – Centro). Até agora ocorreram reuniões em Analândia, Corumbataí, Ipeúna, Itirapina e Rio Claro. Ainda faltam Charqueada e Piracicaba.

Entre os objetivos de cada edição, em cada cidade, é apresentar o Projeto Geoparque Corumbataí, uma iniciativa que visa implementar um Geoparque no território da Bacia do Rio Corumbataí, do qual fazem parte oito municípios. Após sua implantação, a próxima etapa é buscar a certificação Geopark da Unesco.

Nesta sexta etapa, participaram o diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp de Rio Claro, José Alexandre Perinotto, a professora de direito da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA), Luciana Cordeiro de Souza Fernandes, o professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Paulista (UNESP) de Rio Claro, José Eduardo Zaine, a bióloga Mariselma Zaine, o vereador Levy Xavier, representantes da Secretaria de Cultura, Turismo e Lazer de Santa Gertrudes, mestrandos e doutorandos da Universidade Paulista (Unesp de Rio Claro) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e o secretário municipal de obras, Paulo Fernando de Mello Dikerts Filho. “Não tínhamos conhecimento profundo sobre o que se tratava o Geoparque. Agora vemos que até propriedades particulares, por exemplo, podem participar do projeto. Queremos deixar nosso agradecimento ao Grupo de trabalho (GT), marcar mais encontros e reuniões com o Prefeito Rogério Pascon. Não temos pressa, vamos fazer acontecer e estou à disposição para darmos andamento ao Projeto Geopark Corumbataí”, disse o secretário.

Na oportunidade, o assessor de cultura, Bruno Daniel Delconte, apresentou o vídeo produzido pela estagiária em Turismo da Prefeitura de Santa Gertrudes, e também estudante do 8º semestre do curso de Turismo, Camila da Silva Dias, que aborda os aspectos históricos e turísticos do município, que englobam Atrativos Culturais, Atrativos Industriais, Turismo Rural, Lazer e Turismo de Negócios e Eventos, em Santa Gertrudes. Entre eles, Delconte destacou a Fazenda Santa Gertrudes, o Encontro Internacional de Fornecedores da Indústria de Cerâmica, pista de skate, academias ao ar livre, pesqueiro Paraíso, Lago Municipal – Centro, Lago Municipal – Jequitibá, Companhia Cabloca Ventura, Escola Municipal de Dança “Elizandra Belotto”, Corporação Musical Augusto Trambaiolli, Projeto Guri, que possui cursos de violão, violino, viola clássica, canto coral, entre outros.  “A proposta é fazer com que Santa Gertrudes, que é conhecida como o polo da cerâmica, se torne um município turístico. Estamos reativando o Conselho Municipal do Turismo (Comtur). Também estamos contatando empresas para que participem promovendo visitas, como em indústrias de vasos e revestimentos cerâmicos, e tivemos respostas positivas”, enfatizou.

Para o vereador Levy Xavier, o Projeto Geopark Corumbataí traz um grande desenvolvimento econômico para o município. “Precisamos de orientação de como explorar tudo isso. Vamos ter oito municípios com o mesmo objetivo e isso é muito rico. Quando temos união, tudo fica mais fácil. Hoje temos aqui em Santa Gertrudes muita cerâmica de vasos. Se virar um negócio turístico, vamos explorar a cerâmica de outras formas. Vejo o lado da cerâmica para produção de lembrancinhas, por exemplo. E nós temos muitas outras coisas com potencial turístico. Não podemos limitar nossos recursos, e devemos reconhecer que nosso município possui uma cultura rica, que veio de vários povos”.

Durante a mesma noite, aconteceram três palestras. O professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Paulista (UNESP) de Rio Claro, José Eduardo Zaine, explanou sobre “Patrimônio Geológico: Potencial e base para criação do Geoparque Corumbataí, SP”. “Este será o primeiro Geoparque do mundo localizado em território de Bacia Hidrográfica”, frisou.

A professora de direito da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA), Luciana Cordeiro de Souza Fernandes discorreu sobre o Geoparque como instrumento para promoção do desenvolvimento socioeconômico regional através do despertar local. “Um território só pode se tornar um Geoparque se temos povo e riqueza geológica. Especificamente com relação ao Geoparque Corumbataí, essa somatória é fundamental para associar os oito municípios e conseguir algo novo como modelo social e econômico sustentável, proporcionando o resgate da história de cada município e tendo a água como fonte de vida que une as oito cidades”, relatou.

O diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp de Rio Claro, José Alexandre Perinotto, contou que o Projeto Geopark Corumbataí é fruto de uma parceria entre o grupo PCJ, Unesp e Unicamp. “Estamos seguindo com essa empreitada, porém, sem a representação das cidades, o Geoparque não existe. Mas com a participação do cidadão, o respeito às diferenças culturais, o planejamento territorial e a proteção do meio ambiente, o Geoparque é uma ótima opção, uma vez que promove o desenvolvimento socioeconômico, a sustentabilidade natural e o resgate, a valorização e a preservação da cultura regional”, pontuou.

Para a estagiária em Turismo da Prefeitura de Santa Gertrudes, e estudante do 8º semestre do curso de Turismo, Camila da Silva Dias, 22, o Geoparque é importante para o desenvolvimento do turismo no município de Santa Gertrudes. “Estamos querendo promover o turismo e provar isso, com nossas potencialidades. Seria importante que mais munícipes estivessem presentes em eventos como este, para conhecerem sobre o assunto e saberem como funciona o turismo”, comentou.

Ao final da reunião a equipe de Trabalho do Projeto Geopark Corumbataí pediu aos representantes da Prefeitura de Santa Gertrudes que gerencie o preenchimento das fichas de cadastro de pontos de interesse para o futuro Geoparque e suscitou a formação de um Grupo de Trabalho para figurar como interlocutor entre os demais municípios e a equipe do Projeto. Após as visitas em todas as cidades localizadas no território da Bacia do Rio Corumbataí será finalizado um inventário do patrimônio da Bacia e realizado um evento com todos os municípios na Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA), em Limeira.

 

Nathalie Gallo – Jornalista

MTB 0082608/SP

(19) 9 9741-6195

E-mails: n209462@dac.unicamp.br / ngallo.mestranda@gmail.com
PROJETO GEOPARK CORUMBATAÍ

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS – IG

Mestranda em Ensino e História de Ciências da Terra

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: